ASTECA


Comerciários de São Paulo aditam acordo e preservam Convenção


Dr. Robson, diretor Marcos Afonso e dra. Claudia na assinatura do acordo com patrões

 

Atento aos impactos negativos da reforma trabalhista, o Sindicato dos Comerciários de São Paulo (UGT) fez aditamento ao acordo coletivo da categoria e adiou a próxima negociação para depois de fevereiro. O objetivo, explica o presidente da entidade Ricardo Patah, foi evitar que o patronato tentasse impor perdas à Convenção Coletiva atual. A data-base é 1º de setembro.


Na manhã desta segunda (11), a Agência Sindical ouviu Patah. Ele informa os termos do acordo: “Garantimos reajuste salarial pelo INPC cheio, mantivemos os ganhos quando o comerciário trabalhar em domingos e feriados e também asseguramos que a homologação seja feita no Sindicato”.

Para o dirigente comerciário e ugetista, o aditamento releva cautela ante possíveis mudanças no conteúdo da lei trabalhista (13.467/17). “É certo que haverá questionamentos jurídicos, pelo sindicalismo e também por entidades ligadas ao Direito do Trabalho, de vários itens da reforma. Em fevereiro, teremos um cenário mais estável a esse respeito”, argumenta.

Mudanças - Recentemente, o governo Temer, a fim de atender demanda de segmentos patronais, deu ao segmento de supermercados status de serviço essencial. Com isso, trabalhos em domingos e feriados não teriam de ser pagos em dobro. O acordo assinado pelo Sindicato de São Paulo evita essa perda. Comerciário que trabalha em domingos e feriados recebe em dobro e ainda tem ajuda extra para alimentação.

Mais informações: www.comerciarios.org.br

Fonte: Repórter Sindical

Comentários