ASTECA


Grande greve geral de 1917 foi iniciada pelas mulheres


27/6/2017 - terça-feira

Foi um grupo de 450 mulheres, em torno disso, que iniciou a paralisação há cem anos, no bairro fabril da Mooca, em São Paulo. A greve durou 45 dias e teve saldo vitorioso. As trabalhadoras, muitas na pujante indústria têxtil, reivindicavam aumento salarial, redução da jornada e proibição de trabalho noturno para menores e crianças.
 

 

Del Roio e Franzin conversam sobre a história do movimento sindical

José Luiz Del Rio, autor do livro “A Greve de 1971: os trabalhadores entram em cena” (Editora Alameda), contou à Agência Sindical: “As feiras-livres nasceram dessa greve, porque as trabalhadoras queriam alimentos mais baratos, com a compra direto dos produtores”.

Prova do protagonismo feminino está na própria capa do livro, que estampa foto em que a militante de origem espanhola Juana Buela fala a companheiros, após enterro de grevistas no Cemitério do Araçá. A repressão policial foi violenta e muitos acabaram enterrados em covas rasas.

Para o autor, a grande greve geral que assustou a oligarquia nacional marca também uma mudança no então sindicalismo revolucionário, de contestação. “Com a greve, se iniciou uma fase de negociações, o que não era comum. A negociação hoje é marca do sindicalismo brasileiro”, diz Del Roio.


Onde comprar - Livraria da Unesp, Praça da Sé, número 108, Centro, SP. Telefone (11) 31072623.
Ou na Editora Alameda: telefone (11) 30122403 – Site: www.alamedaeditorial.com.br

Fonte: Repórter Sindical

Comentários