ASTECA


Centrais destacam o Ocupa Brasília, repudiam violência e planejam ações


Manifestação unitária na Capital Federal reuniu 150 mil de todo o País

Ainda ontem, dia 24, no calor do maior ato público já realizado em Brasília, a Força Sindical emitiu Nota Oficial, na qual faz balanço positivo do Ocupa Brasília, reafirma o combate às reformas neoliberais e reforça o Fora Temer. Na sequência, Nova Central, CUT e UGT também publicaram a avaliação das entidades.

O tom das notas é de vitória da manifestação, continuidade da luta e repúdio à ação de agentes provocadores e à repressão policial, extremamente violenta e descabida.

A CSB divulgou posição de seu presidente Antonio Neto. Na Nova Central, o presidente José Calixto Ramos conclui: “Para o bem da Nação e do diálogo democrático, sugerimos, de imediato, suspensão dos projetos que subtraiam direitos”.

Unitária - CUT, Força, UGT, Nova Central, CTB e CSB devem se reunir na segunda. A ideia é, a partir de avaliação conjunta, produzir nota unitária e indicar a agenda de ações contra as reformas, pelo Fora Temer e por eleições diretas.

Contratuh - Confederação que representa os trabalhadores em turismo e hospitalidade também apoia a continuidade da luta e rechaça a violência. “A população deixou claro que repudia as reformas trabalhista e previdenciária e expôs sua insatisfação com o governo”, diz.

Vitória - O consultor sindical João Guilherme Vargas Neto assinala: “O primeiro grito e forte é o de vitória”. Ele aponta que, com a marcha, seu êxito e sua força, as reformas “subiram no telhado”.

Diap - Para Marcos Verlaine, analista do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, “foi um grande ato”. “Uma demonstração de força, vitalidade, coesão e unidade de ação do sindicalismo, que só tem a crescer. É o que se vê desde 15 de março”, comenta.

Repercussão - Sites e redes sociais de Sindicatos, Federações, Confederações e Centrais massificaram a participação das categorias e repudiaram a violência.

Mais informações: sites das Centrais, www.contratuh.org.br e www.diap.org.br

Fonte: Repórter Sindical

Comentários