ASTECA


Professores do ABC se manifestam contra a reforma da Previdência


Categoria reforça participação na greve geral nacional da educação, marcada para o dia 15

Escrito por: Redação - Sinpro ABC • Publicado em: 23/02/2017 - 10:49

Os professores e professoras do ABC, funcionários do Sesi/Senai, se reuniram em assembleia na quarta-feira (22) para discutir a proposta patronal da Campanha Salarial e aproveitaram o momento se manifestando contrários à reforma da Previdência apresentada pelo governo Temer.

No encontro, a insatisfação com a proposta de sucateamento da aposentadoria foi unânime e os docentes estão dispostos a lutar em defesa das conquistas trabalhistas e para que nenhum direito seja retirado.

Segundo os professores, essa reforma é um ataque às conquistas históricas da classe trabalhadora, que se aprovada, vai enriquecer ainda mais banqueiros e empresários do setor de previdência privada.

De acordo com a professora Eliana de Souza, de 44 anos, a reforma da Previdência vai influenciar diretamente na qualidade de vida dos docentes, pois terão que trabalhar muito mais com o sonho de uma aposentadoria bem distante. “Eu vou ficar longe da minha família, dos meus filhos, já que terei que trabalhar por anos a mais e ganhando bem menos, já que o cálculo na média dos salários vai cair em torno de vinte por cento”, afirmou.

Ela reclamou ainda que, se a reforma acontecer, terá que trabalhar por mais 20 anos. “Nas regras atuais posso me aposentar daqui a seis anos, mas se a reforma for aprovada tenho que batalhar até os 65. Não sei se terei o pique que tenho hoje, já que o desgaste do professor em sala de aula é muito grande”, enfatizou Eliana de Souza.

Já a professora Ana Flávia, de 46 anos, foi além, questionando que a reforma proposta por Temer vai castigar muito mais as mulheres, ao igualar as idades entre homens e mulheres para a aposentadoria. “Pra mulher é muito pior, já que trabalhamos muito mais. Eu dou aula em duas escolas e trabalho em casa, cuidando das tarefas domésticas e da família. Tenho uma tripla jornada de trabalho. Fico pensando: até quando vou aguentar essa rotina?” questiona Ana.

No entanto, apesar das desilusões com o sucateamento da aposentadoria, os professores e professoras se mostraram determinados na luta enfatizando a greve geral nacional da educação que vai acontecer no dia 15 de março contra a Reforma da Previdência e Por Nenhum Direito a Menos.

Fonte: INFORMATIVO CUT BRASIL

Comentários